segunda-feira, fevereiro 11, 2008

"Eu sou sua alma gêmea, sou sua fêmea,
seu par, sua irmã
eu sou seu incesto
sou perfeita porque, igualzinha a você
eu não presto, eu não presto"

(Chico Buarque)

Engraçados vocês dois. Vocês não têm nada a ver, né? Não sei aonde vocês tão querendo chegar com essa história.

Ela, por azar ou não, nascera brasileira. Com sangue, animação e apaixonada por aquela música. Ele, inevitavelmente, era brasileiro, sem conhecer muito o encanto e a graça daquele país.

Sabia que ele gosta de Shakespeare? Fala dele que só vendo. Sim, o Shakespeare, aquele que você acha um chato de ler.

Ele gostava das imagens, e achava que falar e ouvir, ás vezes era desnecessário.

Ela não calava a boca, nem quando ele dormia. Falava, falava, falava e continuava com a sensação que ainda tinha mais para dizer.

Ei, você. Você sabia que ela é ciumenta? Louca. Maluca mesmo. Tem ciúme das suas amigas, acha todas impertinentes. Acha você seguro demais pro gosto dela. Já disse que você é inatingível com ciúme... ela vai pirar.

Ela ta de cabelo armado, unha e boca pintada. Ele preferia que ela fosse mais discreta.

Eu realmente não consigo entender. Você é água, ele é óleo. Não mistura, entende? Polar e apolar. Choque térmico, social, cultural e até astrológico. Baby, ele é aquário e você é touro, ta entendendo? Nunca vai dar certo. Pra que insistir?

Ele nem conhece direito música nacional e ela só sabe cantarolar mpb. Ele ai se preocupando com o almoço e ela pensando em beber. Ele fica entendendo de números e ela se importa com vírgulas e acentos.

Você vai até quando esperar que ele mude?

Você vai continuar tentando muda-la ?

Ela tem aquele sotaque que não decide se é caipira ou se é mineiro. Ele é da capital. Ele escuta rock´n roll e ela se remelexe com qualquer sambinha que tocar. Tão engraçada essa combinação. Ninguém entende. Eles andam agora com essa mania de dormirem abraçados. Vendo assim, parece até que da certo.

Ela ta fugindo, ta pensando em futuro, ta dizendo que ama. Ele ta sorrindo, abrindo os braços e não dizendo nada. Ela criou um mundo pra eles, logo muito logo ele conta pra ela que esse mundo não existe.

Nossa, eu jurava que o vi tentando sambar. Olha ela ali, quase que aprende a jogar bilhar. É impressão minha, ou ele ta começando a escrever? Veja ela, não agüenta mais o interior.

Diferentes nada, incompletos. Quem sabe assim juntos, dentro um do outro, eles não brincam de ser um só.

8 comentários:

B disse...

Eu não diria que esses dois são água e óleo, mas sim algo tipo vinagre e azeite. Duas substâncias igualmente imissiveis, porém juntas como pode se ver, ao longo dos tempos... forma um excelente molho de salada, ou qualquer coisa nesse sentido.

Aí é só escolher o tempero... acído, ou escorregadio???

Simples e absolutamente eficiente, adorei!

bjs

Carolina disse...

por alguns momentos achei que vc estivesse falando de mim e do Théo!

Guto Leite disse...

Gostei bastante, parceira! Teus escritos dão apertos crônicos por dentro, vai saber... talvez circundem com eficiência aquela tal verdade que não existe!

Sempre por aqui...

Theo disse...

eu ainda acho q vc tava falando de mim e da carol

Maria disse...

arriscaria até a dizer que você falou da maioria dos casais.
que graça tem estar com alguém igual?
o bom mesmo é completar um ao outro.

Cassio Cons disse...

Quando eu leio teu blog, fico sem palavras pra qualquer comentário. Fica parecendo que tu já usaste todas.
Mas fico feliz de ler um texto alegre aqui... os outros chegam a dar um aperto.
Beijo, pequena.

K.C disse...

pra lá e pra cá, cai aqui, bem aqui, e juro que totalmente sem querer. Vontade de ler quem sabe, ou a falta do que fazer. Não sei.
Um, dois, três, cinco, muitos posts, e o sono me mandava ir pra cama, e a vontade de ler me botava aqui, com olhos fundos e dor de cabeça.
Talvez tenha sido pela poética, ou pelos sarcasmos, pela ironia ou pelo que for. Viciei. E acredito que tenha sido pela forma exagerada, intensa, e extrema de dizer as coisas; e pela forma como me enxerguei escrevendo ou sentindo ou pensando td isso; e pela forma como vi alguém dizer exatamente todas as loucuras sentimentais que já passaram e passam por mim.

Por fim, eu gostei, e gostei muito e resolvi comentar, pq seria injusto eu entrar tanto nas tuas escritas e não me identificar por aqui. Sendo assim: oi,eu sou aquela que leu por uma hora, ou mais, tudo isso e que de alguma forma entendeu alguns sentidos.

Fabi disse...

hahahha! amei!

queria conseguir tirar as coisas do meu peito como você, rose querida...

bi-toca.