quinta-feira, janeiro 15, 2009

No teu primeiro adeus, você disse tantas coisas que não justificavam a sua mão abanando e se despedindo de mim. Eu fiquei tão triste. Perguntei pros amigos, pra família, pro mar, pro céu e pra qualquer outra coisa que parecesse minimamente menos confusa que eu: Por quê?
Me responderam uns que não sabiam, outros que não procurariam saber. O mar e o céu me engoliram, era o jeito deles de me afagar.

Eu vi o teu segundo adeus quase incrédula, e você, dessa vez, não me disse nada. Procurei todos a quem eu tinha procurado e ao contrário do ulterior silêncio veio a mim uma avalanche - massacrante - de motivos. Todos enumerados, claros e coerentes. Você teve todos os motivo pra ir embora, e, ao contrário dos paradoxos tão bonitos da maioria das paixões, você foi. Nada de você não é bonita, mas eu acho. Nada de você fuma, mas eu tolero. Nada de você não é perfeita, mas ainda assim me encanta.

Você tinha todos os motivos pra ir embora. E você foi.

Eu tinha todos os motivos pra não te deixar ir. Eu só não os encontrei quando foi preciso.

Agora você vê o balanço sereno do meu braço dizendo: adeus, homem da minha vida. Agora eu vou contar uma história de amor: às avessas.

Primeiro veio o fim... o resto é vida.

Um comentário:

Rfaa disse...

é sempre difícil dizer adeus. mais chega uma hora, que se torna impossível não dizer :/ ( pois é, até que enfim consegui dizer adeus)

''Primeiro veio o fim... o resto é vida.''

obrigado, rosa.
me sinto mtoo bem mesmo de ler seus textos!

ps.: ja te falei que to aqui sempre né? haha

beeeijo'